Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
Logon

Fator de Potência

​​​Fator de Potência é a relação entre a energia ativa e a energia reativa de uma instalação elétrica, sendo um dos principais indicadores de eficiência energética. O fator de potência próximo de 01 (um) indica pouco consumo de energia reativa em relação à energia ativa. Uma vez que a energia ativa é aquela que efetivamente executa as tarefas, quanto mais próximas da unidade for o fator de potência, maior é a eficiência da instalação elétrica.

O fator de potência é classificado em indutivo ou capacitivo.

Indutivo significa que a instalação elétrica está absorvendo a energia reativa. A maioria dos equipamentos elétricos possui características indutivas em função das suas bobinas (ou indutores), que induzem o fluxo magnético necessário ao seu funcionamento.

Já o capacitivo significa que a instalação elétrica está fornecendo a energia reativa. São características dos capacitores que normalmente são instalados para fornecer a energia reativa que os equipamentos indutivos absorvem. O fator de potência torna-se capacitivo quando são instalados capacitores em excesso. Isso ocorre, principalmente, quando os equipamentos elétricos indutivos são desligados e os capacitores permanecem ligados na instalação elétrica.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) determina que o fator de potência deve ser mantido o mais próximo possível da unidade, porém permite um valor mínimo de 0,92, indutivo ou capacitivo, correspondente a certo valor de energia reativa consumida. À medida que o fator de potência decresce, temos valores maiores, correspondentes à energia reativa consumida, ainda que a energia ativa consumida permaneça constante.

Se o fator de potência medido nas instalações do consumidor for inferior a 0,92, será cobrado o custo do consumo reativo excedente, decorrente da diferença entre o valor mínimo permitido e o valor calculado no ciclo.

Qual a incidência para um baixo Fator de Potência?

O baixo Fator de Potência decorre das quantidades elevadas de energia reativa (consumida por motores e transformadores, não realizando trabalho útil). Esta condição resulta em:

  • Aumento da corrente elétrica, que eleva as perdas.
  • Queda de tensão.
  • Subutilização da capacidade instalada.
  • Necessidade de investimentos (correção do FP).

Quais as principais causas que motivam o baixo fator de potência?

  • Grande quantidade de motores de pequena potência.
  • Motores trabalhando em vazio durante grande parte do tempo.
  • Motores superdimensionados.
  • Transformadores de grande potência alimentando pequenas cargas.
  • Transformadores operando em vazio durante grande parte do tempo.
  • Lâmpadas de descargas (Fluorescentes, vapor de mercúrio e vapor de sódio) sem reatores de alto fator de potência.

Quais são as desvantagens de um baixo fator de potência?

  • Desperdício de energia, decorrente do aumento das perdas no sistema elétrico do consumidor e da concessionária.
  • Não liberação de capacidade do sistema elétrico para transporte de energia ativa.
  • Sobrecargas.
  • Redução da vida útil dos equipamentos decorrentes de aquecimento excessivo.
  • Aumento de custo para consumidores e para a concessionária.

Como corrigir o baixo fator de potência?

A primeira providência é analisar as causas da utilização excessiva de energia reativa. A eliminação dessas causas passa por medidas como:

  • Desligar motores que estejam operando em vazio.
  • Redimensionar equipamentos.
  • Redistribuir cargas pelos diversos circuitos da instalação.

Tomadas as providências acima, a ação recomendada é instalar junto aos equipamentos que demandam energia reativa, o equipamento CAPACITOR.

Qual o resultado com a instalação de Capacitores?

Com a instalação dos capacitores juntos às cargas indutivas, a circulação de energia reativa fica limitada a esses equipamentos, pois os capacitores fornecem a energia reativa necessária, eliminando assim as desvantagens decorrentes do baixo Fator de Potência.

Compartilhe nas redes sociais

​​
​​ ​​ ​